Sexo

Como se fazem os bebés?

Sabem, por exemplo, de onde vêm os espermatezóides e os óvulos?

Como é que ambos se conseguem encontrar, sem mapa e GPS, para conceberem uma nova vida?

Sabem que apenas temos 20% de engravidar em cada ciclo menstrual, mesmo conhecendo exactamente o nosso período fértil?

Esqueçam todas as conversas que tiveram com os vossos pais e professores, porque definitivamente os bebés não aparecem do céu, no bico de uma cegonha.

 

No corpo da mulher

Para as mulheres tudo começa nos ovários, duas bolas em forma de kiwi em cada um dos lados do útero. Os ovários são a nossa caixa de ovos que está totalmente cheia. Cada bebé do sexo feminino nasce com cerca de 1 milhão de óvulos nos seus ovários e nunca mais irá produzir novos óvulos, mas temos bastantes para a nossa vida reprodutiva. Ao todo, vamos libertar cerca de 400 óvulos, desde o nosso primeiro período menstrual até à menopausa, que geralmente surge aos 45/55 anos.

Algures, no meio do nosso ciclo menstrual, provavelmente entre o 12.º e 16.º dia, um óvulo amadurece num dos ovários, é libertado e é rapidamente sugado pela abertura em forma de túlipa da trompa de falópio mais próxima. As trompas de falópio são dois canais que se estendem desde os ovários até ao útero e esta libertação do óvulo designada de ovulação inicia a concepção. Em média um óvulo vive apenas 24h, por isso tem de ser fertilizado o mais rapidamente possível para que um bebé seja concebido. Se o nosso óvulo se encontra com um espermatezóide saudável, durante a sua descida para o útero, os dois podem-se unir e iniciar o processo de criar uma nova vida. Caso contrário, termina a sua viagem no útero onde é dissolvido ou absorvido pelo nosso corpo e quando não ocorre a gravidez, o ovário pára de produzir estrogénio e progesterona, as hormonas que ajudam a manter uma gravidez, e o revestimento do útero é eliminado através do período menstrual.

 

No corpo da homem

Enquanto as mulheres andam ocupadas com o amadurecimento de um óvulo durante um mês aproximadamente, os homens estão constantemente a produzir milhares de espermatezóides microscópicos, cujo único objectivo na vida é nadarem e penetrarem um óvulo.

Enquanto que as mulheres nascem já com todos os óvulos que irão necessitar durante a sua vida fértil, os homens não nascem com os espermatezóides prontos. Eles têm que os produzir regularmente e demora entre 64 a 72 dias a criar um novo espermatezóide. Visto que um espermatezóide vive apenas algumas semanas no corpo masculino e cada ejaculação contém cerca de 30 a 300 milhões de espermatezóides, esta fábrica de fertilização não pára de trabalhar.

A produção de espermatezóides começa nos testículos, em duas glândulas alojadas no saco escrotal por baixo do pénis. Os testículos estão propositadamente no exterior do corpo porque são muito sensíveis à temperatura. Para produzir espermatezóides saudáveis eles têm de se manter a 34ºC, cerca de 4ºC abaixo da temperatura normal do corpo. Quando o esperma é criado, ele fica armazenado numa parte do testículo designada de epidímio que depois é misturado ao sémen, imediatamente antes da ejaculação.

Apesar dos milhões de espermatezóides produzidos e libertados em cada ejaculação, apenas um pode fertilizar um óvulo, mesmo no caso de gémeos. O sexo do embrião dependerá do tipo de espermatezóide que conseguiu penetrar o óvulo em primeiro lugar. O espermatezóide com o cromossoma Y irá determinar que será um menino, e o espermatezóide com o cromossoma X irá determinar que será uma menina.

Muitos mitos sobre como conceber um menino ou uma menina circulam há séculos e alguns deles têm alguma base científica, mas no geral, o sexo de uma criança é determinado aleatoriamente.

 

Sexo, o que acontece

O grande momento chegou e já estão nas tentativas para engravidar que é a melhor parte. O orgasmo tem uma função muito importante em todo o processo. Nos homens, o orgasmo impulsiona o sémen rico em espermatezóides para a vagina até ao colo do útero. Este processo denominado ejaculação dá aos espermatezóides o impulso necessário para chegarem ao óvulo. O orgasmo feminino também ajuda à concepção. Algumas pesquisas demonstram que as contracções sentidas durante o orgasmo feminino ajudam os espermatezóides a subir até ao colo do útero.

Muitos casais questionam-se se uma determinada posição sexual será melhor para engravidar. Ninguém sabe ao certo, mas alguns especialistas acreditam que a posição tradicional de missionário (homem por cima) ou a posição selvagem (o homem por detrás da mulher) são as melhores porque permitem uma penetração mais profunda.

No entanto, o mais importante é manter relações sexuais regularmente para que os espermatezóides se mantenham vivos no tracto reprodutivo feminino durante a ovulação.

 

Teste positivo ou negativo

Nesta fase, não poderemos fazer muito, a não ser esperar. Alguns especialistas aconselham que a mulher deve permanecer deitada de costas, com uma almofada por baixo do rabo, durante 20 a 30 minutos, para que a gravidade possa ajudar os espermatezóides a chegarem ao óvulo.

Entretanto, uma grande actividade está a acontecer dentro do nosso corpo. Milhões de espermatezóides iniciam a sua viagem em busca do óvulo e não será uma viagem fácil, visto que há vários obstáculos para vencer.

O primeiro obstáculo é o nível de acidez da vagina, que poderá ser mortal para os espermatezóides. O segundo obstáculo é o muco/fluido cervical que pode ser um muro intransponível, à excepção de um ou dois dias em que estamos mais férteis e o fluido estará mais líquido, facilitando a viagem dos espermatezóides. Os espermatezóides sobreviventes ainda têm um longo caminho a percorrer pelo colo do útero, atravessando o útero para chegar às trompas de Falópio.

Os espermatezóides mais rápidos chegarão ao óvulo em 45 minutos, enquanto que os mais lentos demoram 12 horas. Se não encontrarem um óvulo nas trompas de Falópio no momento da relação sexual, os espermatezóides podem esperar e sobreviver até 72 horas.

Apenas alguns espermatezóides conseguem chegar ao óvulo. Os restantes ficam pelo caminho. Porém, aqueles que efectivamente conseguem chegar ao óvulo, ainda têm de lutar para ser os primeiros a vencerem, ou seja, têm de penetrar o óvulo. Quando um espermatezóide consegue fazê-lo o óvulo altera-se imediatamente para que nenhum outro espermatezóide consiga entrar. É como um escudo protector que protege o óvulo e assegura que o único espermatezóide que conseguiu entrar se mantenha no interior em segurança.

E agora o verdadeiro milagre acontece. O óvulo é fertilizado em 24 horas, quando o material genético do espermatezóide se une ao material genético do óvulo, criando uma nova célula que se começa a dividir rapidamente. Não estaremos efectivamente grávidas até que as novas células, designadas como embrião, se alojem na parede do útero.

No entanto, pode ocorrer uma gravidez ectópica se o embrião não se implantar no útero e se implantar numa trompa de Falópio. Uma gravidez ectópica não é viável e é necessário tomar medicação para impedir que o embrião se desenvolva ou ser necessária uma cirurgia para removê-lo e evitar a ruptura e possíveis danos na trompa de Falópio.

A parte final da viagem pode levar três dias, mas demorará semanas até verificarmos que o período menstrual está atrasado.

Se o nosso período menstrual estiver atrasado ou sentirmos sintomas de gravidez, podemos fazer um teste de gravidez para sabermos se estamos grávidas ou não.

Artigo traduzido e adaptado do original Getting pregnant: How babies are made da Equipa BabyCenter

publicado por babyblues às 00:01 | link do post | partilhar