Detectar a ovulação

Quais são os melhores indicadores de ovulação: os kits de ovulação ou a temperatura corporal basal?

Ambos são úteis a detectar a ovulação, mas funcionam de forma diferente. Quando urinamos no stick de um kit de ovulação, ele vai mudar de cor no dia antes de ovular, indicando um aumento da hormona luteinizante (LH). Este aumento faz com que o nosso ovário liberte um óvulo. Um kit de ovulação aumenta as probabilidades de concepção, permitindo planear a relação sexual para o dia em que hormona luteinizante (LH) aumenta.
Em contrapartida, o gráfico da temperatura corporal basal (BBT) informa-nos se já ovulámos. A nossa temperatura corporal basal e o muco cervical refletem o nosso nível de progesterona, que está próximo de zero antes de ovular e aumenta drasticamente após a ovulação. Quando o nível de progesterona aumenta, o mesmo acontece com a nossa temperatura, o que indica que já ovulámos.
Um gráfico BBT diz-nos quando ovulámos em determinado mês, mas não nos diz exactamente quando devemos ter a relação sexual (ou a inseminação uterina) no mesmo mês. Temos de registar a temperatura corporal basal no gráfico BBT durante alguns meses e encontrar um padrão no nosso ciclo antes de podermos usá-lo para prever os nossos dias férteis.
Um kit de ovulação, por outro lado, pode avisar-nos com antecedência do dia da ovulação logo no primeiro mês de utilização. A principal desvantagem destes kits é que podem ser caros e um kit apenas só pode ser utilizado para um ciclo.
Temos de ter consciência que estes métodos podem não funcionar. Quer os kits de ovulação, quer os gráficos da temperatura corporal basal/muco cervical podem ser imprecisos com algumas pessoas.
Sherman Silber - Especialista de Fertilidade

Posso ovular mais do que uma vez por ciclo?

Não. Ovulamos uma vez por ciclo e geralmente libertamos um óvulo. Porém, a melhor maneira de visualizar a ovulação é considerá-la como um evento que acontece durante 24 horas. Durante esse tempo podemos libertar um ou mais óvulos, o que explica, por exemplo, os gémeos idênticos. Eis como funciona: cada ciclo, cerca de 15 a 20 óvulos começam a amadurecer em cada ovário. Cada óvulo está no seu respectivo folículo. A corrida começa quando um desses folículos tenta tornar-se maior que os restantes. A ovulação entretanto ocorre quando um dos ovários liberta um óvulo do folículo dominante.
A corrida para ovular pode levar entre oito dias e um mês (ou mais) para ser concluída, dependendo do tempo que o nosso corpo leva para atingir o limite de estrogénio. Os folículos produzem esta hormona-chave para a ovulação. Altos níveis de estrogénio desencadeiam um aumento abrupto da hormona luteinizante (LH), que faz com que o óvulo literalmente expluda dentro do ovário, geralmente num prazo de um ou dois dias após esse aumento abrupto.
Provavelmente já ouvimos falar de um estudo que descobriu que as mulheres ovulam várias vezes por ciclo. Esse estudo - publicado em Julho de 2003 no Journal of Fertility and Sterility - foi mal interpretado pela imprensa em geral. Investigadores da Universidade de Saskatchewan, no Canadá, descobriram que quando se pensava que as alterações hormonais aconteciam no ovário imediatamente antes da ovulação acontecer, na realidade acontecem também noutras alturas do mês. Pensava-se que os folículos que libertam o óvulo amadurecido para a superfície do ovário se desenvolviam uma vez por ciclo, imediatamente antes da ovulação. Os investigadores descobriram que estes sistemas de libertação do óvulo podem, de facto, desenvolver-se noutras alturas do ciclo. Mas isso não significa que ovulamos mais do que uma vez por ciclo.

As conclusões deste estudo canadiano são importantes, visto que podem dar esperança a milhares de mulheres com problemas de fertilidade. Sabendo que esta actividade hormonal pode oscilar e não ococrre apenas uma vez por ciclo, pode dar aos médicos mais oportunidades para a aplicação de tratamentos de fertilidade. Os investigadores especulam que, utilizando medicamentos que imitem o aumento abrupto da hormona luteinizante (LH) durante esses períodos de oscilação de desenvolvimento folicular, as mulheres poderiam possivelmente ovular noutras alturas dos seus ciclos.

Toni Weschler - Educador de Fertilidade


É possível engravidar enquanto estou com o período menstrual?

É possível - mas altamente improvável. Teríamos que ter um ciclo menstrual muito curto, desde o primeiro dia do período até o primeiro dia do período menstrual seguinte, ou uma tendência para ter períodos menstruais longos. Isso aproximaria o momento da ovulação ao início do período  menstrual.
A concepção ocorre quando um óvulo e um espermatezóide se encontram numa trompa de Falópio. Aproximadamente a meio do nosso ciclo menstrual, provavelmente entre o 12.º e 16.º dia, um óvulo atinge a maturidade num dos dois ovários. O ovário liberta o óvulo para o abdómen, onde é rapidamente extraído pela abertura em forma de tulipa da trompa de Falópio mais próxima.

Um óvulo pode sobreviver na nossa trompa de Falópio aproximadamente 24 horas após a sua libertação do ovário. Assim, a única maneira de engravidar é o esperma estar na nossa trompa de Falópio nesta fase. Se o óvulo não for fertilizado, é expulso juntamente com o revestimento do útero durante o período menstrual.
Geralmente, quando estamos com o período, outro óvulo está a desenvolver-se, preparando-se para ser libertado durante o ciclo atual. Mas o ciclo menstrual da mulher não tem sempre a mesma duração. Muitas mulheres têm um ciclo menstrual de 28 dias, mas outras têm ciclos mais curtos, de 22 dias por exemplo. Se tivermos um ciclo mais curto, podemos ovular poucos dias depois de termos o período. E considerando que o espermatezóide pode sobreviver no aparelho reprodutor feminino durante três dias, é teoricamente possível que o esperma permaneça até ovularmos novamente.

Também é possível confundirmos uma hemorragia - pequenas manchas de sangue entre os períodos - com o período menstrual. Pode ser uma pequena hemorragia que ocorra no momento da ovulação, quando estamos mais férteis.
O tempo que um óvulo demora a desenvolver-se ou a amadurecer dentro do ovário pode variar e, por isso, o próprio dia da ovulação pode variar entre vários e muitos dias. Alguns kits de ovulação baseiam-se no "período fértil",ou seja, no aumento dos níveis de estrogénio, em vez de se basearem no nível máximo da hormona luteinizante, ou LH, que é o que despoleta a libertação efectiva do óvulo. Nessas situações, o "período fértil" pode parecer mais longo.

Carolyn Kubik - Especialista de Fertilidade


É possível engravidar imediatamente a seguir ao período menstrual?

É possível, mas não muito provável.
A ovulação ocorre a meio do ciclo de uma mulher. Se tivermos um ciclo de 28 dias, por exemplo, ovulamos no 14 º dia, contando o primeiro dia do período menstrual como o primeiro dia do ciclo. Se o período durar sete ou oito dias, quando o período acabar, estaremos a cinco ou seis dias de ovular novamente. Se considerarmos que o esperma pode viver na trompa de Falópio durante dois ou três dias, então teremos uma pequena hipótese de engravidar, caso tenhamos ovulado mais cedo que o normal. Se não estivermos a tentar engravidar, é mais seguro utilizar um método contraceptivo sempre que tiver relações sexuais, independentemente do dia do ciclo.

Robert Zurawin - Obstetra e Especialista de Fertilidade


Como é que posso verificar o meu colo do útero (cervix) para detectar sinais de ovulação?

Se os seus outros sinais de fertilidade são óbvios, ou seja, produz fluido cervical fértil antes da ovulação e tem mudanças da temperatura basal consistentes que comprovam que está a ovular, não necessita de verificar o colo do útero. Mas para evitar alguma ambiguidade, o colo do útero dá boas informações para comprovar os sinais de fertilidade acima mencionados.
Quando a ovulação se aproxima, o colo do útero torna-se suave, alto, aberto e húmido. Após a ovulação, estes sinais revertem e o colo do útero torna-se firme, baixo, fechado e seco.

Pode parecer fácil, mas a maioria das mulheres não estão habituadas a verificar o colo do útero e quando o fazem, não sabem exatamente que sinais/características devem procurar.
A melhor maneira de aprender é verificando o colo do útero quando o fluido cervical se torna húmido. Deve continuar a verificação durante alguns dias após o aumento da temperatura. Esta fase que dura cinco dias é quando se verificam as alterações mais bruscas e evidentes.

Para verificar o colo do útero, insira o seu dedo médio devidamente limpo na sua vagina e verifique as características do colo do útero ao toque. Antes da ovulação terá características semelhantes ao toque dos lábios e após a ovulação terá características semelhantes ao toque da ponta do nariz.

Para além de verificar o colo do útero, é também necessário supervisionar os outros dois principais sinais indicadores de ovulação: a temperatura corporal basal e o fluido cervical. Isto implica registar a temperatura todas as manhãs, antes de se levantar e após três horas de sono ininterrupto.
Caso tenha ovulado, verificamos a temperatura a subir rapidamente e assim irá permanecer durante 12 a 16 dias, até aparecer o período menstrual.
Mas a mudança de temperatura não nos diz quando vamos ovular. Apenas nos diz que já ovulámos, por isso é que é importante usar este método conjuntamente com a verificação das alterações do fluido cervical em todo o ciclo.

Depois do período menstrual, provavelmente vamos notar alguns dias de secura, seguido pelo aumento da humidade até o fluido cervical se tornar mais elástico e líquido. Esse é o momento certo, um pouco antes da ovulação, para manter relações sexuais e aumentar as hipóteses de engravidar.

Toni Weschler - Educador de Fertilidade

publicado por babyblues às 00:01 | link do post | partilhar