O diagnóstico

As isoflavonas de soja podem ajudar-me a engravidar?

Infelizmente, não há uma resposta clara. Algumas mulheres afirmam que as isoflavonas de soja as ajudaram a engravidar, mas os cientistas ainda não estudaram essa possibilidade e não há dados para que possamos afirmar se é eficaz ou seguro.

De facto, alguns especialistas alertam que a ingestão de produtos de soja altamente concentrados podem, aliás, prejudicar a fertilidade, especialmente em mulheres que têm um ciclo menstrual "normal", ou seja, um ciclo com menos de 35 dias e regular. A ingestão de suplementos de soja, poderia alterar o funcionamento do ciclo menstrual.

Acredita-se na ideia de que as isoflavonas de soja - um tipo de fitoestrogénio ou estrogénio de origem vegetal - podem funcionar de forma semelhante ao medicamento de fertilidade clomifeno. Ambos actuam sobre as vias do estrogénio no corpo e podem ser utilizadas para manipular o ciclo menstrual. Se ovularmos irregularmente ou nunca ovularmos, isto poderia dar início à ovulação. No entanto, se os nossos problemas de fertilidade se deverem a outras causas, estes medicamentos não ajudarão.

Teoricamente, seria assim que funcionaria: as isoflavonas de soja bloqueiam os receptores de estrogénio no cérebro e enganam o nosso corpo, levando-o a "pensar" que os níveis normais de estrogénio são baixos. Em resposta, o nosso corpo desencadeia uma série de eventos para aumentar a produção de estrogénio. (Como parte deste processo, um grupo de óvulos amadurece para que um deles esteja pronto a ser libertado durante a ovulação). Após 5 dias, paramos de tomar as isoflavonas. Logo que o efeito de bloqueio dos receptores desaparece, o nosso corpo "diz" que temos muito estrogénio e que é o momento de ovular, libertando a hormona que induz a ovulação.

O problema é que nem todas as isoflavonas de soja agem desta forma.

"Algumas isoflavonas de soja funcionam como bloqueadores de estrogénio, mas outras imitam o estrogénio, o que significa que o corpo "pensa" que é estrogénio. Isso pode causar problemas de saúde e faz com que o desequilíbrio hormonal seja pior", diz Jill Blakeway, acupuncturista licenciado, herbalista clínico e co-autor de Making Babies: A Proven Three-Month Program for Maximum Fertility. "Alguém com fibromas uterinos, por exemplo, pode achar que o seu problema se agrava após a toma das isoflavonas de soja."

O clomifeno não apresenta esse risco, porque foi criado especificamente para actuar como bloqueador de estrogénio. O impacto das isoflavonas de soja é mais diversificado e imprevisível.

Além disso, certas áreas do nosso corpo que são sensíveis ao estrogénio, como os seios, o útero e os ovários, podem não reagir bem quando expostos ao estrogénio das isoflavonas de soja. Há evidências que provam que grandes doses de soja podem estimular o crescimento de células cancerígenas nessas mesmas áreas. Além disso, há também evidências que a ingestão de muita soja pode prejudicar a tiróide e levar ao hipotiroidismo.

Segundo Blakeway, se tomarmos isoflavonas de soja na primeira paret do nosso ciclo menstrual para aumentar a produção de estrogénio e não tomarmos nada na segunda parte para aumentar os níveis de progesterona, podemos acabar com um desequilíbrio hormonal que irá prejudicar a nossa fertilidade. Isso deve-se ao facto das hormonas envolvidas no ciclo menstrual, aumentarem e diminuirem de uma forma exactamente coordenada. Basta alterar uma, que a outras ficam afectadas.

As isoflavonas de soja são vendidas como suplementos alimentares, o que significa que não são controladas pelo Infarmed, ou seja, não estão sujeitas aos mesmos testes rigorosos que os medicamentos.

"Simplesmente não há maneira de dizer se o que estamos a tomar contém a quantidade de soja (ou outros ingredientes) que pensamos necessitar", afirma a nutricionista Hilary M. Wright, directora do aconselhamento de nutrição no Domar Center for Mind/Body Health em Boston IVF e autora de The PCOS Diet Plan: A Natural Approach to Health for Women With Polycystic Ovary Syndrome.

Em comparação, o clomifeno, é regulado pelo Infarmed e tem um longo histórico de segurança e é prescrito em quantidades precisas.

As isoflavonas de soja não são assim tão mais baratas que o clomifeno, por isso a poupança de dinheiro não será um bom motivo para as utilizar. No entanto, se mesmo assim quisermos tentar as isoflavonas de soja para melhorar a nossa fertilidade, aqui ficam alguns conselhos:

 

#Mulheres com mais de 35 anos devem procurar ajuda médica imediatamente, em vez de perderem tempo a explorar esta opção, que pode não ser eficaz, afirma Shari Brasner, obstetra e professor na Mount Sinai School of Medicine e autor de Advice From a Pregnant Obstetrician;

#Experimente as isoflavonas de soja se ovular irregularmente ou nunca ovular. Não as utilize se tiver algum dos seguintes problemas de saúde, que poderiam piorar, ao tomar fitoestrogénios concentrados: fibróides uterinos, pólipos uterinos, endometriose, seios fibrocísticos ou a doença da tiróide;

#Se tiver o sindroma do ovário policístico é aconselhável evitar as isoflavonas de soja, apesar do clomifeno ser muitas vezes prescrito a mulheres com este problema. Os fitoestrogénios podem agravar este sindroma, afirma o acupuncturista Blakeway. O clomifeno é a melhor escolha, visto que os especialistas sabem exactamente como o medicamento funciona, obtendo-se resultados mais previsíveis;

#Tomar uma dose de isoflavonas de soja de 80 a 200 mg por dia do terceiro ao sétimos dia do ciclo, ou do quinto ao nono dia (da mesma maneira como se estivesse a tomar o clomifeno), indica Blakeway. Devemos utilizar a dose mais  baixa e não alterá-la durante 5 dias seguidos. Também devemo-nos restringir aos suplementos, visto que não é realista tentar conseguir a mesma dose unicamente através da alimentação.

#Conversar com o nosso médico sobre as possíveis interacções entre a soja e outros medicamentos que estivermos a tomar, incluindo antibióticos, medicamentos da tiróide e clomifeno;

#Estarmos cientes que podemos experimentar efeitos secundários, como dores de cabeça, fadiga, sensibilidade mamária e distúrbios digestivos.Tomar os suplementos ao deitar pode ajudar a minimizar o impacto destes efeitos secundários.

Equipa BabyCenter

 

Como convencer o meu companheiro a fazer exames para verificar se tem algum problema de fertilidade?

Começar por perguntar-lhe porque é que não quer ir. Ele pode estar preocupado em ser de facto diagnosticado com um problema de fertilidade e sentir que é o culpado por não conseguirem conceber. Ele pode também ter medo de não ser capaz de conseguir uma amostra para análise ou estar preocupado que os outros o julguem. Devemos lembrá-lo que os problemas de fertilidade masculinos podem ser tratados com sucesso na maioria das vezes, mas tem de ser diagnosticado. Geralmente, tudo começa com uma amostra de esperma que deverá ser analisado ao microscópio.

Se viverem perto do consultório, essa colheita poderá ser feita em casa, caso contrário, a maioria dos consultórios têm áreas privadas para o efeito. Se tudo falhar, há preservativos especiais para colheita de amostras. Mas o mais importante é que ele tem de fazer o teste. Cerca de 40% dos problemas de fertilidade ocorrem com o sexo masculino. Porém,s não tem lógica a mulher iniciar um tratamento de fertilidade inexplicável sem que o seu companheiro também tenha sido testado.

Equipa BabyCenter

 

Durante quanto tempo devo tentar engravidar antes de consultar um especialista de fertilidade?

Se tivermos menos de 35 anos e estivermos a manter relações sexuais desprotegidas frequentemente (pelo menos 2 a 3 vezes por semana) durante um ano sem conseguirmos engravidar, devemos consultar um especialista em fertilidade.

Devemos comunicar ao nosso médico se fumamos, se tomamos medicamentos como esteróides ou antidepressivos, se temos peso a mais ou de menos.

Esperar 6 a 12 meses antes de consultar um especialista de fertilidade, quando já ultrapassámos a barreira dos 35 anos, é arriscado, visto que o relógio continua a contar.

Consultar um médico se tivermos historial médico de:

#Doença inflamatória pélvica;

#Fibróides uterinos;

#Endometriose;

#Infecção sexualmente transmitida como clamídia ou gonorreia;

#Períodos menstruais irregulares;

#Cirurgia aos órgãos reprodutores ou intestinos;

#Doença crónica como diabetes, cancro, doença da tiróide, asma ou depressão.

Sherman Silber - Especialista de fertilidade


Deverei consultar um obstetra para uma consulta de pré-concepção?

Tem toda a lógica ir a uma consulta de pré-concepção com o nosso obstetra 3 meses antes de começarmos as tentativas.

É importante termos a certeza de que somos saudáveis antes de uma gravidez acontecer. O médico irá querer confirmar se temos alguma anemia, se as vacinas estão actualizadas e informar-nos sobre os medicamentos a evitar.

O médico também nos irá aconselhar sobre a dieta a seguir, exercício físico e vitaminas pré-natais, tudo itens importantes para uma futura gravidez saudável. Será também o momento ideal para falar sobre problemas que possam afectar as nossas hipóteses de engravidar, como períodos menstruais irregulares, problemas pélvicos anteriores ou problemas reprodutivos masculinos por parte do nosso companheiro.

Um exame físico será também benéfico porque poderá ajudar a detectar certos problemas que deverão ser tratados antes de uma gravidez, como por exemplo, um teste de Papanicolau anormal, pólipos ou quistos mamários.

Se tivermos algum problema médico, como diabetes, hipertensão, peso anormal ou epilepsia, devemos fazer uma consulta de pré-concepção obrigatoriamente, visto que estes problemas requeremum tratamento especial durante a gravidez.

John Queenan - Obstetra


O que é a infertilidade?

Apesar de parecer assustador, ser infértil não significa que nunca conseguiremos engravidar. Não é a mesma coisa que ser estéril. Os casais  são diagnosticados com o inférteis, quando estão a tentar engravidar há um ano sem sucesso. Há ainda possibilidade de conceber, com ajuda ou não dos médicos.

Não é coincidência que 12 meses seja o prazo que os especialistas recomendam para tentar engravidar, antes de consultarmos um especialista. Mesmo que tenhamos 35 ou mais, podemos consultar um especialista após 6 meses de tentativas, mas apenas seremos diagnosticados como inférteis após 1 ano de tentativas sem sucesso.

Cerca de 85% dos casais conseguem engravidar num prazo de 1 ano, ficando apenas 15% de casais considerados inférteis. As boas notícias são que, se os casais considerados inférteis continuarem a tentar após um ano de tentativas, um terço conseguirá conceber naturalmente, sem qualquer intervenção médica. E os restantes podem ser ajudados através de tratamentos de fertilidade. Cerca de 90% dos casais inférteis conseguem engravidar.

O que causa a infertilidade? Muitas vezes os médicos conseguem descobrir, outras vezes não. Cerca de 30% dos casos de infertilidade devem-se a problemas masculinos, e 30% a problemas femininos. Os restantes 40% devem-se a múltiplos factores, envolvendo o casal ou a causas inexplicáveis.

Equipa BabyCenter


Como lidar com a desilusão de não conseguir engravidar mês após mês?

Se engravidar estiver a demorar mais que o previsto, é natural sentirmo-nos desapontados. Construir uma família e ser pai/mãe são, para a maioria das pessoas, partes fundamentais da vida e quando se torna difícil consegui-las podemos sentir que tems algo de errado. Mas não nos devemos culpar ou ao nosso companheiro. Devemos aceitar que como casal vamos ter altos e baixos durante as tentativas para engravidar. Para começar, devemos sempre falar um com o outro e procurar o conselho de outros casais que estejam a passar pelo mesmo.

Se a nossa vida gira em torno de um regime rigoroso de medição da temperatura corporal basal e sexo por agenda, devemos considerar fazer umas férias disso tudo. Recuperar o amor e a cumplicidade que uniu o casal desde o início é extremamente importante. Histórias abundam sobre casais que conseguiram engravidar durante as férias ou quando decidiram parar com as tentativas.

Se determinados eventos forem demasiado dolorosos, como baptizados, aniversários infantis, podemos dar-nos ao luxo de os evitar, visto que passamos por uma fase particularmente difícil. Ir será apenas uma tortura. Para evitar ferir sentimentos ou sensibilidades, devemos enviar um presente, como por exemplo, livros infantis que possam ser adquiridos online, evitando assim termos de ir a uma loja que nos faça cair em desespero, perante tantos artigos para bebés.

E lembrem-se de manter outros interesses na vida: aprender a escalar, a dançar, pintura ou algo que nos mantenha ocupadas e nos divirta. Não esquecer de rir, porque rir é o melhor remédio: ver uma comédia no cinema ou um ler um livro super divertido. Claro, que também estamos autorizadas a chorar para nos sentirmos melhor.

Se estivermos a tentar há mais de um ano, devemos marcar uma consulta de infertilidade. Muitos dos problemas são fáceis de tratar, por isso podemos evitar sofrer sem necessidade.

Equipa BabyCenter

publicado por babyblues às 00:01 | link do post | partilhar